Imagine você chegando em casa e tomando um banho, enquanto você o faz, sua chaleira elétrica é ligada para que a água do seu chá fique pronta quase ao mesmo tempo em que você termine o seu banho, isto porque um algoritmo sabe a média de tempo em que você abre e fecha sua ducha.

Ao mesmo tempo as luzes da sua casa inteligente assume um tom mais amarelo e reduzem um pouco a intensidade para que a sua vista não fique tão cansada.

O seu sono é monitorado pelo relógio inteligente que está no seu pulso e de acordo com outro algoritmo ele vai te acordar no melhor momento possível de acordo com os mais atuais padrões da medicina do sono.

Enquanto isto sua cafeteira estará preparando o seu café, o seu transporte para o trabalho estará agendado e no seu tablet, ou smart tv um resumo da sua agenda lhe será mostrado.

Isto não é fantasia, e está mais próximo do que podemos imaginar, isto porque estamos vivenciando o início de uma nova etapa da internet, a internet das coisas.

O primeiro passo começou com as smart tvs, onde ao conectarmos estes equipamentos na internet passamos a ter acesso a aplicativos tais como netflix ou amazon prime. No próximo passo tivemos os relógios inteligentes tais como apple watch que podem ser sincronizados com o seu celular e monitorar todas as suas mensagens e agenda de contatos.

E aqui começa a coleta de dados, os seus padrões de sono e comportamentos ficam armazenados no seu celular, estas informações podem ser utilizadas para melhorar sua qualidade de sono, e até mesmo ser utilizado pelo seu médico para identificar possíveis problemas de saúde antes mesmo deles se manifestarem de forma mais agressiva.

Os dados

Bem, aqui temos que pensar em um ponto, se existem aplicativos que coletam os dados do seu comportamento e estas informações coletadas ficam em um servidor, na verdade, o servidor da empresa que lhe vendeu o dispositivo ou aplicativo.

E agora pense, se os dados são coletados de você, mas estão nos servidores de terceiros, de quem realmente são estes dados? Será que são realmente seus? E de quem são os dados que você gera usando estas aplicações?

O mercado

Sim, existe um mercado de dados e geralmente as empresas comercializam estes dados, e acreditem dados valem muito dinheiro, o mercado desse tipo de commodity já é bilionário no nosso século e somente tende a crescer.

Qual uso vamos fazer disto?

A questão final não é que a IoT seja uma coisa ruim ou maravilhosa, apenas estamos vivenciando uma nova fase da internet, da mesma forma quando deixamos de utilizar teclados nos celulares e passamos a utilizar telas sensíveis ao toque, e acredito realmente que será uma questão de pouco tempo para vivermos neste mundo, mas a questão é…

Quem vai ditar as regras?

Será que vale realmente trocarmos um dos nossos direitos mais fundamentais que é a nossa privacidade por uma vida com qualidade otimizada?

O fato é que não há uma resposta simples para esta questão, mas o que não podemos nos esquecer é que por trás de todo algoritmo existe um usuário final que é um ser humano.

Copyright 2019 - 2020 Claudio Mendes
%d blogueiros gostam disto: